OS DESAFIOS DO NOVO GOVERNO


Publicada dia 14/09/2022 18:14

Tamanho Fonte:

Todo esse desmonte da legislação e da estrutura social é promovido pelo atual governo com interesse claramente identificado em favorecer os interesses dos bancos, das grandes corporações e do capital. Mas também de desestruturar o estado, atacar os direitos trabalhistas e as políticas públicas em geral para dar espaço ao controle dos territórios por milícias armadas.

Encerramos nossa série mostrando o que é o projeto do bolsonarismo, com ou sem Bolsonaro. Um projeto que precisa ser combatido e derrubado, pois representa a anomia social, ou seja, a constituição de uma situação social de ausência de regras e normas, onde os indivíduos armados e violentos desconsideram os necessários controles sociais que regem a sociedade, e impõem sua vontade à força. É o caso das milícias que controlam territórios no Rio de Janeiro, claramente o modelo de sociedade do bolsonarismo.

Algumas ações necessárias

● Fortalecer o estado e resgatar sua importância como promotor das políticas públicas. Recolocar em pauta a importância do estado incentivar e gerir a economia, resolver problemas estruturais, cuidar da saúde, da educação, da moradia, do transporte, etc. Um país sem estado e regulado pelo mercado (bancos e corporações capitalistas) só aprofunda os problemas estruturais e a concentração de renda e a desigualdade, que são a raiz dos problemas atuais

● Economia financeirizada é fator de crise. Algo precisa mudar, porque ela está matando o investimento produtivo e a industrialização. Com a primazia do rentismo, os donos do dinheiro são incentivados a aplicar na ciranda financeira, em vez de investir na produção. E só esse investimento gera emprego, renda e fortalecimento do mercado interno e da economia do país. O dinheiro aplicado nos bancos fica parado, é improdutivo e parasitário.

● É preciso ter coragem e projeto para mexer na estrutura da economia no atual formato de funcionamento do capitalismo. Isso passa por um pacto com a indústria para ampliar o investimento produtivo. Pelo resgate do estado como promotor de obras, e do BNDES como financiador da produção nacional.

● Passa também pela redução dos juros, para tirar o incentivo à especulação e ao rentismo e para possibilitar empréstimos empresariais e familiares sem os abusos vistos hoje na cobrança de juros que dobram todas as dívidas e comprometem a renda das famílias e a existência da micro e pequena empresa, as maiores geradoras de emprego.

● Reduzir a jornada de trabalho como forma de criar mais empregos é uma bandeira a ser resgatada. Assim como fortalecer os sindicatos e as negociações salariais e de direitos, tirando a força e o poder dado às empresas de impor o que querem, com arrocho salarial e retirada de direitos, na maioria das vezes com apoio do judiciário.

● A garantia de renda básica como programas sociais consistentes, abrangentes e bem estruturados é uma necessidade. É a forma de introduzir todos na trama social, no consumo, no emprego, na escolarização. E isso deve ser prioridade, pois toda a população deve ter direito de ganhar e viver a vida.

● Fazer AS REFORMAS ESTRUTURAIS REALMENTE NECESSÁRIAS para o país. Como a tributária, em que é preciso criar uma tributação progressiva, fazendo quem tem mais pagar mais. Hoje no Brasil é o contrário. O trabalhador tem desconto na fonte, enquanto os ricos pegam muito pouco ou nada. É preciso ter a coragem de taxar as grandes fortunas, a renda das aplicações financeiras e o capital improdutivo, que fica parado, crescendo no rentismo e travando o desenvolvimento da economia real e produtiva.

● Investir na educação, na saúde e nos serviços públicos. Num país pobre, com enorme disparidade na distribuição da renda e desigualdade social e sem serviços consistentes, a maioria da população fica simplesmente sem atendimento. Serviços públicos decentes significa dignidade para o povo e um salário indireto devido à gratuidade. Também leva à criação de condições para a inserção social e à melhoria dos índices de pobreza e desigualdade.

Esses são apenas alguns dos desafios do próximo governo

Todos nós trabalhadores dos Correios e eleitores no geral precisamos estar atentos às propostas e aos programas governamentais. Ouvir o que dizem, mas também ler os materiais divulgados e tentar entender quem realmente tem projeto e condições de fazer um Brasil melhor para os brasileiros.

A situação atual não pode perdurar. Um Brasil dividido pelo ódio, afetado pela inflação e pelo desemprego, um povo passando fome e todo tipo de necessidade, enquanto os bancos, as grandes corporações e os rentistas em geral ficam cada dia mais ricos é inaceitável!

Um governo que destrói a economia do país, entrega as estatais, libera o desmatamento da Amazônia, acaba com os direitos dos trabalhadores, deixa a inflação e os preços em geral dispararem para agradar às empresa e governo para os ricos em geral, é inaceitável!

A mudança começa com o voto e vai muito além, com participação ativa dos trabalhadores dos Correios e da população em geral na vida política do país. Eleger os representantes certos é determinante, mas só isso não basta.

É preciso se organizar nos bairros, nas empresas, nas escolas, nas redes sociais e em todos os espaços existentes para atuar, pressionar, cobrar, fiscalizar e exigir um país que funcione melhor e para todos os brasileiros!

Fonte: Findect

Compartilhe agora com seus amigos

Notícias Relacionadas

ECT DIVULGA DATA DE PAGAMENTO DE PLR

ECT DIVULGA DATA DE PAGAMENTO DE PLR

Após reunião extraordinária do Conselho de Administração dos Correios no dia 20/09, foi aprovado o pagamento da PLR 2021; os valores serão creditados no próximo dia 30 de setembro ...