TRABALHADOR CONSEGUE LIMINAR FAVORÁVEL À MANUTENÇÃO DE SUA MÃE NO PLANO DE SAÚDE


PUBLICADA EM 22 DE OUTUBRO DE 2019

Ocorre que neste caso em particular, a mãe do empregado e sua dependente no plano, é portadora de Câncer de Ovário, com metástases, tendo como prescrição quimioterapia paliativa, com indicação para o uso conjugado dos medicamentos Carboplatina, taxol e avastin, a ser ministrada de 21 em 21 dias, por temo indeterminado.

É importante dizer que, a mãe do trabalhador já encontrava-se internada, sem previsão de alta e chegando inclusive a iniciar o tratamento quando fez duas sessões de quimioterapia, porém, quando foi solicitada a medicação da terceira sessão, teve a negativa por parte da operadora, sob argumento de que a assistência estava suspensa.

No último dia 02 de outubro na audiência de dissídio coletivo dos trabalhadores, no TST em Brasília, houve a retirada de pais e mãe do plano de saúde, o que levou a vários transtornos.

Diante disso, foi ajuizada ação requerendo, em sede de antecipação dos efeitos da tutela, que a Postal Saúde seja compelida a autorizar o tratamento prescrito pelo médico assistente, qual seja, quimioterapia paliativa (02 linhas) com esquema carboplanita, taxol e avastin.

Ocorre que na decisão, o §16 da cláusula 28 do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) deixa claro a garantia de tratamentos em andamento, ainda não finalizados, citando a quimioterapia como exemplo dos procedimentos com cobertura garantia, mesmo depois da alteração nas disposições da Assistência Médica e Odontológica da categoria. No caso dela especificamente, há maior efetividade no tratamento quando utilizados de forma conjugada.

Vale ressaltar que existe o receio de dano irreparável ou de difícil reparação, com a não realização do tratamento ou mesmo a sua demora, impedindo assim o controle da doença necessário à recuperação e manutenção da saúde da paciente.

Diante dos fatos apresentados, foi deferido o pedido de antecipação dos efeitos da tutela para determinar que a POSTAL SAÚDE autorize, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas à beneficiária, bem como demais procedimentos que eventualmente forem necessários, em face da enfermidade, pelo tempo que for necessário ao restabelecimento da saúde da autora, conforme prescrição médica.

Para o caso de descumprimento da medida, foi fixada multa diária no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), a ser revertida em favor da beneficiária, limitada à quantia de R$ 60.000,00 (sessenta mil reais),sem prejuízo de eventual majoração, na hipótese de se revelar insuficiente para cumprir a sua finalidade, conforme previsto no art. 537, do Código de Processo Civil/2015.

Mais uma conquista do trabalhador ECTista através do jurídico do Sindicato.

Compartilhe agora com seus amigos

Notícias Relacionadas

veja também em nosso site

Campanha Salarial rodapé do post

Campanha Salarial rodapé do post