TRABALHADORES SEGUEM RECEBENDO SENTENÇA FAVORÁVEL EM AÇÕES INDIVIDUAIS DE AADC


Publicada dia 23/08/2022 17:37

Tamanho Fonte:

Os trabalhadores ajuizaram Reclamação Trabalhista por meio de ações individuais contra os Correios em que alegam exercer o cargo de Agente de Correios Carteiro e função motorizada e que a empresa deixou de pagar o Adicional de Distribuição e Coleta – AADC, que é pago aos carteiros que fazem coleta e distribuição de correspondência em vias públicas.

Ocorre que, além disso, a empresa suprimiu o adicional sob o argumento de que a CLT passou a prever o pagamento do adicional de periculosidade a partir de junho/2014 e estes empregados não poderiam cumular dois adicionais.

Por esses motivos, os trabalhadores requereram a condenação da empresa na obrigação de restabelecer o pagamento do AADC – Adicional de Atividade, Distribuição e Coleta uma vez que exercem atividade de distribuição e coleta em motocicleta – Especialidade: Carteiro; Função: Motorizado (M), enquanto perdurar o exercício de tal função, em valor correspondente a 30% do seu salário base, na forma do item 3 do “Manual de Pessoal” dos Correios, Módulo 8, Capítulo 6, juntamente com o adicional de periculosidade, na forma do art. 193 da CLT, com o pagamento das parcelas vencidas e vincendas, desde a sua supressão, e reflexos sobre FGTS, férias e 13º salários, PLR, contribuições previdenciárias e contribuições para os planos de complementação de aposentadoria do POSTALIS – Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos, para cada um dos empregados em suas respectivas ações.

Diante dos fatos apresentados, foi julgado procedente a reclamação dos empregados e ratificados os fundamentos jurídicos das ações e deferida a tutela de urgência, no sentido de que a empresa deixe de efetuar o desconto em folha de pagamento, restabeleça pagamento regular cumulativo do Adicional de Atividade Distribuição e Coleta – AADC com o adicional de periculosidade previsto no artigo 193, §4º da CLT, enquanto os empregados exercerem as atividades do cargo “Agente de Correios”, a especialidade de “Carteiro” e função “Motorizado (M).

A empresa foi ainda condenada a após o trânsito em julgado da sentença, a efetuar o pagamento dos adicionais indevidamente suprimidos, correspondente às parcelas vencidas desde a data de sua supressão até o seu efetivo restabelecimento, bem como, os seus reflexos, no 13.º salário, férias acrescidas de 1/3, depósitos do FGTS e contribuições para os planos de complementação de aposentadoria do POSTALIS – Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos.

Com informações do jurídico do SINTECT-MA

Gestão Mais trabalho, resistência e luta

Compartilhe agora com seus amigos

Notícias Relacionadas

ECT DIVULGA DATA DE PAGAMENTO DE PLR

ECT DIVULGA DATA DE PAGAMENTO DE PLR

Após reunião extraordinária do Conselho de Administração dos Correios no dia 20/09, foi aprovado o pagamento da PLR 2021; os valores serão creditados no próximo dia 30 de setembro ...