Em vídeo nesta segunda-feira (18) Globo e Guilherme Campos culpabilizam trabalhadores por prejuízos na empresa

Nesta segunda-feira (18) a globo em uma de suas matérias, como de costume, tenta culpabilizar os trabalhadores pelo “rombo” nas finanças dos Correios.

Na reportagem, a “mídia” a serviço do ministério das comunicações, mesmo do qual faz parte a empresa, fala sobre o roubo de cargas,ouve uma cliente que reclama do atraso em suas entregas, o filho dela que reclama do extravio de mercadorias e por fim, o Presidente da estatal, Guilherme Campos, ou seja, só um dos lados foi ouvido.

O trabalhador dos Correios não teve oportunidade de ter sua fala registrada e por que motivo será?

O que se vê nessa reportagem é uma mídia visivelmente tendenciosa à serviço do patrão.

Interessante que em nenhum momento foi citado por exemplo, os dividendos na casa de 3,9 bilhões que saíram dos cofres da empresa para o governo entre os anos de 2012 a 2015;

O pagamento ao Banco do Brasil por quebra de contrato dos serviços no Banco Postal, no valor de 2,2 bilhões;

As contas comerciais da empresa entre janeiro a agosto de 2016, no valor de 1,3 bilhões, só até aí totalizando o montante de 7,4 bilhões de rombo nos cofres da empresa.

Isso sem falar os demais “desperdícios” como por exemplo os gastos com a criação da CorreiosPar, Postal Saúde, os super salários, a má gestão da empresa ao longo dos anos e a lista é grande.

É mais fácil jogar essa culpa sobre os ombros do trabalhador, usando pra isso o plano de saúde, que atende não apenas ao trabalhador, mas também sua família, e que representa apenas 10% do que a empresa arrecada.

Quem banca as regalias, os super salários e as viagens ao exterior são os trabalhadores que se doam dia após dia, muitos arriscando suas vidas nas agências que apresentam o mínimo de investimento em segurança, nos CDDs e agências Brasil a  fora, muitos sem  a climatização adequada, colocando sua saúde em risco, veículos sem a devida manutenção é quem sustenta a empresa de pé, já que através de sua mão de obra, contratos e mais contratos são fechados.

Em outras palavras, porque fechar essas torneiras por onde tem saído o dinheiro, se o corte pode ser feito nos benefícios duramente conquistados pelo trabalhador?

É de um enorme cinismo, que o presidente Guilherme Campos queira que os trabalhadores paguem a conta pela má gestão dele e dos que o antecederam.

Fica mais do que claro, que nem de longe a empresa está preocupada com o trabalhador, como é de costume. Portanto faz-se necessário que o trabalhador saia em defesa dos seus direitos, conquistados ao longo dos anos e por nada abra mão deles, mas lute bravamente para garantir o seu bem-estar e de sua família.

Ascom SINTECT-MA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *